Fidcargo - Seguro de transporte internacional

Os riscos da não contratação de um seguro

Seguro-de-Tranporte-de-cargas_zpsrodumgjl.jpg

Quem atua com o comércio exterior realizando importações e exportações conhece toda a burocracia por trás das transações que envolve o transporte de cargas. Além dos cálculos de impostos, categorização de produtos, entre outros, ainda existe os riscos no transporte de cargas, sendo sempre recomendado a contratação de um seguro de transporte.

Infelizmente, alguns empresários ainda descartam a necessidade do seguro de transporte de cargas. O maior motivo, normalmente, é considerarem o seguro um custo desnecessário ou até mesmo para a redução de despesas na importação. No entanto, é importante ressaltar que o preço do seguro é irrisório perto do preço a se pagar pela sua segurança caso aconteça algo com a carga e as obrigações assessórias. Deixar de contratar o seguro para cargas pode ser um grande erro, um péssimo negócio e gerar grandes prejuízos. Partindo da premissa de que o barato sai caro, separamos os principais riscos da não contratação de seguros internacionais em transportes. Acompanhe!

 

Causas comuns de sinistros e o seguro de transporte.

Roubos de cargas

Segundo dados divulgados recentemente pela Associação das Transpordoras, no Brasil, os roubos de cargas a mão armada aumentaram 16% em 2014. Dos 17,5 mil casos que foram registrados, 85% foram realizados no Sudeste. Apenas no estado do Rio de Janeito, o aumento estimado foi de 66%. Independente do tipo da mercadoria ou bem que se transporte, há sempre o risco de roubo a mão armada. Seja matéria-prima ou um produto final, existem pessoas mal intencionadas prontas para agir no roubos de cargas a mão armada.

Neste caso, estar desprovido de seguro de transporte de carga significa perder toda a carga na qual já se investiu capital e despesas assessórias com custos de importação, de modo a não conseguir recuperar o investimento ou a carga posteriormente. Por outro lado, ao optar por um seguro de transporte internacional, o custo certamente será muito menor do que o prejuízo causado pelo roubo.

 

Extravios

Não é difícil encontrarmos casos de extravios de cargas internacionais pelos principais meios de transportes existentes para este fim. As mídias sempre retratam as ocorrência de naufrágios, explosões, entres outros acidentes que causam perdas parciais ou totais em cargas transportadas e, consequentemente, o prejuízo para os empresários que deixaram de contratar seguros para suas cargas.

O extravio de mercadorias pelos diversos fatores de ocorrência é considerado um dos maiores riscos da não contratação de seguros.

 

Avarias na carga

Enviar uma mercadoria em perfeitas condições e recebê-la quebrada, rasgada, aberta, molhada ou com qualquer outra avaria, também é um dos grandes riscos da não contratação de um seguro de transporte. Logo, mesmo recebendo ou enviando a carga, haverá o prejuízo de acordo com o nível de avaria. Deste modo, este também é um risco possível da não contratação de seguros.

 

Riscos de greve

Sabe-se que as greves são comuns principalmente dentro do mercado de transporte e fiscalização. São muitos elos envolvidos na cadeia, muitas categorias trabalhistas, o que implica em eventuais mobilizações do setor. Deste modo, quando se atua com importação e exportação de mercadorias é muito importante levar em conta esse risco. Logo, optar por seguros que cubram esta modalidade de risco, trará ao empresário a indenização ideal para compensar qualquer dano físico causado por greves.

Leia também  Webinar Fidcargo Gratuito - Parte 02/02 - Questões essenciais do seguro de transporte internacional de cargas.

Lembrando que não existe cobertura por mal armazenamento, isso é, inclusive, uma das exclusões de seguros.

 

Riscos de guerras

Sabe-se que as possibilidades de guerras no Brasil são remotas. De qualquer modo, quando se atua com o mercado internacional é preciso estar atento às possibilidades de guerras em outros países, sendo um fator que poderá gerar extravios de cargas, trazendo prejuízos para os empresários.

Assim, optar por um seguro de transporte que cubra este risco torna-se essencial para não obter prejuízos, já que esta opção traz a indenização aos sinistros provocados por atos de guerra como canhões, torpedos, minas, entre outros.

Em se tratando de guerra, é preciso estar atendo também ao fato de que as Guerras Civis, Capturas e confiscos possuem somente cobertura de seguros para transportes aéreos e aquaviários, não cobertos para transportes terrestres.

 

Avaria Grossa

Um capítulo especial em todas esta situação é a Avaria Grossa, e em breve trataremos dela mais especificamente. Contudo, devemos falar um pouco sobre ela, haja vista o grande impacto sobre um importador ou exportador. A Avaria Grossa é definida por situações em que os danos ou despesas extraordinárias são decorrentes de um ato intencional em situações de riscos, com o objetivo de evitar um mal maior no transporte. Ela pode ser decretada apenas pelo capitão do navio quando este conclui que as condições de navegação colocam em risco a segurança da embarcação em três níveis – risco às pessoas, riscos ao restante das cargas e riscos ao próprio navio. Quando este cenário é presente, então o capitão poderá jogar cargas ao mar com o intuito de proteger todos os outros. Ele assim lavra um termo de AVARIA GROSSA, que deverá registrar o ocorrido em um cartório de notas no próximo porto que escalar.

Aqui o exemplo de duas situações que um capitão pode declarar Avaria Grossa:

Exemplo 1: O capitão, ao perceber que seu navio está correndo riscos de naufrágio, determina lançar parte da carga ao mar para diminuir o peso do navio e poder prosseguir viagem em segurança.

 

Exemplo 2: Parte da carga de um navio pega fogo e operadores utilizam água para apagar o incêndio, que acaba molhando outras cargas que não haviam sido atingidas pelo fogo. A carga incendiada é classificada como Avaria Simples e a carga molhada é classificada como Avaria Grossa, pois nas não atingidas, pode haver alguma mercadoria que não poderia ser molhada.

Neste caso, também é feito um levantamento dos custos totais gastos com os reparos e prejuízos ocorridos para salvar o navio e suas cargas, sendo este valor rateado entre os embarcadores e o navio.

Leia também  O custo do seguro internacional de carga é pequeno perto do risco de perder a carga. Saiba o porquê!

Em ambas situações é nomeada uma peritagem, que conduzirá um levantamento dos custos totais das mercadorias que se perderam, e o valor é dividido proporcionalmente entre todos os embarcadores que tinham qualquer mercadoria sendo transportada no navio, mesmo que estas não tenha sofrido nenhum dano. Isto porque, se o capitão tivesse optado por manter a carga que colocava a embarcação em risco, todos teriam sofrido com isso.

Se a sua carga estiver segurada, assim que for avisado pelo armador sobre a AVARIA GROSSA, você deverá comunicar a seguradora sobre o evento, pois ela assumirá a sua parte do custo de participação, bem como a responsabilidade de acompanhar o caso enquanto todo o processo se desenrola em instâncias internacionais. Do contrário, a carga do segurado ficará arrolada como garantia até que ele deposite o valor em risco, ou consiga um banco que lhe dê tal a garantia. Este processo é demorado e caro.

 

E se for minha a carga lançada ao mar (sofreu a Avaria Grossa)?

Se a sua carga for uma das que sofreu a consequência, em favor dos outros embarcadores, você receberá o valor estipulado pela perícia, que será coletado entre outros embarcadores a fim de compor o valor do seu prejuízo, menos o valor que corresponde a sua parte do rateio. O que poucos sabem é que você deverá aguardar que todo o processo administrativo seja conduzido, o que pode levar de 01 ano a 03 anos para ser concluído.

A pergunta é:

Você tem todo este tempo para receber o valor que investiu na compra da mercadoria?

Bom, se o seguro de transporte tiver sido contratado, então a seguradora indenizará o segurado sobre o valor declarado da mercadoria, inclusive sobre a parte que corresponde à sua participação no pagamento do prejuízo que sofreram os outros embarcadores também.

Vale ressaltar que avaria grossa é obrigatória em todas as categorias de seguro – não é um termo opcional. 

Com base nas dicas aqui citadas, foi possível conhecer os principais riscos da não contratação de seguros de transporte de cargas. Assim, torna-se fácil a compreensão da importância e o custo benefício ao contratar um.

Deixamos uma dica que independente da carga a ser transportada, é preciso avaliar que o seguro torna-se barato perante as possibilidades de perdas, avarias, roubos ou quaisquer ações que tragam o prejuízo financeiro e material para sua empresa.

E você, costuma contratar seguros de transporte para suas cargas? Compartilhe conosco!

Saiba mais com a Fidcargo
Recebe em seu e-mail nossas atualizações.
Enviaremos conteúdo relacionado ao Seguro Internacional de Cargas. Respeitamos sua privacidade.

O que acha?

Comentários

No Comments Yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *