Fidcargo - Seguro de transporte internacional

O seguro e a teoria ovo que cai?

_seguro_e_o_ovo

Como as seguradoras compõem o valor de um prêmio de seguro?

Seguro e a teoria do ovo que cai? Como assim?

Vamos explicar a teoria usando o exemplo do OVO, pois ele mostra de uma maneira básica e lúdica como o valor de um seguro é baseado no risco de um sinistro. Para entender, leia até o fim!

 

Como as seguradoras calculam os riscos e chegam ao valor de um seguro?

No mercado de seguro, o prêmio é o valor pago pelo segurado para que a seguradora assuma a responsabilidade de um determinado risco de perda. Essa palavra vem do latim “praemium”, uma junção de “prae”, recompensa, com o verbo “emere”, obter. E no seguro internacional de cargas, assim como em qualquer outra modalidade, quanto maior o risco, maior o prêmio. Mas antes de ter que pagar uma indenização de R$ 50.000,00 contra um prêmio de R$ 2.000,00, por exemplo, a companhia de seguros precisa calcular esse risco através de técnicas de estatísticas ou eliminá-lo através de processo de agregação e partilha. A seguir, veja como as seguradoras chegam ao valor do prêmio do seguro.

A aferição do risco por meio da estatística

Suponhamos que num ano cerca de 10% do número total de cargas transportadas por meio de navios cargueiros sofra um sinistro – diante de uma realidade onde o padrão de acidentes é instável. Nesse cenário, se uma companhia de seguros assegurasse apenas dez empresas, poderia achar que há uma possibilidade significativa da carga de uma ou duas delas sofrer um sinistro, provavelmente dobrando as suas despesas em indenizações e desestimulando o negócio.

Porém, se a seguradora conseguisse assegurar mil empresas em condições de risco similares as dez anteriores, ela seria amparada por uma lei da estatística que prova a queda de menos de 1% da probabilidade dos sinistros serem o dobro da média. Mais precisamente, ela garante que quanto maior for o número de cargas seguradas, mais a média da amostra se aproximará dos 10% – que é a média de cargas que sofrem sinistro por ano.

Essa teoria se chama “Lei dos Grandes Números” e permite à seguradora lidar com as variações nos padrões de perdas existentes no mundo real juntamente com a agregação e partilha dos riscos, tornando o seguro possível e desejável. Ela ganha simplesmente ao explorar o fato de que aquilo que é altamente imprevisível para uma única empresa importadora ou exportadora é também altamente previsível para todas as outras.

Leia também  Conheça mais sobre o princípio da boa-fé

 

O processo de agregação e partilha

Este ocorre quando duas ou mais seguradoras optam por trabalhar em conjunto e partilhar o risco de um mesmo segurado através do cosseguro, visando se protegerem de sinistros com altos valores. Quanto às apólices, elas podem ser emitidas por todas as empresas que participarem do processo, ou por apenas uma, que é denominada seguradora líder.

Nessa operação, cada uma das seguradoras envolvidas respondem, de maneira isolada, pela parte da responsabilidade que assumiram.

O cosseguro também pode ser realizado a partir da iniciativa do próprio segurado, em seu exclusivo interesse e não das seguradoras envolvidas. Como exemplo, podemos citar o caso de uma empresa exportadora que resolveu dar parte do seu seguro para a seguradora do grupo do banco que possui conta e lhe concedeu um empréstimo.

 

O cálculo do valor do prêmio

A companhia de seguros, com base na partilha de riscos e na Lei dos Grandes Números, consegue calcular o valor do prêmio do seguro.

Suponhamos novamente que ela faça um seguro para dez mil cargas, cada uma valendo cem mil. Neste exemplo, a probabilidade de uma carga sofrer um sinistro é de 2 em 1000 por ano. Logo, o valor esperado de despesas anuais com indenizações é o resultado da multiplicação de todos estes valores (0,002 x 10.000 x 100.000), que resulta em dois milhões por ano.

E se outros dois milhões forem necessários para cobrir as despesas da seguradora com equipe, impostos, taxa de lucro, conclui-se que o prêmio pago por cada segurado seria de R$ 400,00. Mas note que a parcela do prêmio relativa apenas ao risco é metade desse valor – R$ 200,00 para cada segurado. No mercado, ela é denominada “prêmio puro de risco”, ao qual são somados os demais itens, chamados de “carregamento”, para formar o prêmio comercial ou total.

 

E o seguro do ovo com isso? 

Imagine que você está no alto de um prédio de 10 andares segurando um ovo cru que custa R$ 1,00, e quer jogá-lo lá de cima. Antes de atirá-lo, você decide fazer um seguro para quebras para a situaçao da queda do ovo (É uma suposição!). Bom, você fala com a corretora de seguros / seguradora, que por sua vez, vai fazer o cálculo da probabilidade de quebra do ovo e vai passar o valor do prêmio deste seguro para você.

Leia também  O que está por trás de um seguro "muito" barato? Por que existem tantas diferenças nas cotações?

 

Quanto você acha que custaria o prêmio de seguro para esta situação?

R$ 1,00? Errou…

Vamos compreender.

O ovo custa R$ 1,00. Após análise de riscos, a seguradora constata que a probabilidade de quebra deste ovo é de 100%, e ela não terá a chance de usar o que sobrou do ovo para nada depois (não vai revender a casca, a clara ou a gema para salvados). Então, para averbar esta queda do ovo ela cobra de você o valor total do ovo + taxa de lucro da seguradora + despesas que ela calcula que terá com este sinistro.

Assim, o prêmio seria (claro que isto é uma brincadeira), cerca de R$ 1,05 pois além do prejuízo certo, ela ainda vai cobrar pelo seguro efetuado. Nenhuma seguradora pode trabalhar com prejuízos, pois do contrário ela quebra, tal qual o ovo! 😉

Se a seguradora constatar que o pagamento desta indenização é muito alto para ela assumir sozinha, ela pode negociar com outras seguradoras e instituições bancárias a partilha deste risco, denominado de cosseguro, ou repassar o seu próprio risco para outras seguradoras, que seriam resseguradoras, como o Instituto de Resseguros do Brasil – IRB. Isto quer dizer que quando ela tiver que pagar a indenização, não arcará com os 100%, pois partilhou o risco com outras instituições, e cada uma participará com a porcentagem que acordou.

 

Obs 1: Nenhuma seguradora ou corretora faria o seguro de um ovo sendo jogado do alto de um prédio! 

Obs 2: Nenhum ovo se machucou ou foi jogado de um prédio para comprovar a teoria desta postagem. =)

 

Entendeu como é calculado o valor do prêmio de seguro? Caso ainda tenha alguma dúvida, basta deixá-la no campo de comentários abaixo!

Saiba mais com a Fidcargo
Recebe em seu e-mail nossas atualizações.
Enviaremos conteúdo relacionado ao Seguro Internacional de Cargas. Respeitamos sua privacidade.

O que acha?

Comentários

Facebook

Categorias